terça-feira, 1 de outubro de 2013

Abdominal na água oferece resistência e intensidade maiores



Quem quer fugir do “convencional” encontra na hidroginástica uma atividade prazerosa, desafiadora e que é capaz de potencializar os resultados. Afinal, a resistência do meio aquático faz com que o abdominal embaixo da água se torne mais intenso do que fora dela, mas o praticante não sente da mesma forma.

Melhoria da capacidade cardiorrespiratória e a resistência muscular localizada
A hidroginástica, segundo a professora e especialista Vera Lucia Gonçalves, da academia Reebok Sport Club e das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), responsável pela hidroginástica no Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo (CEPE/USP) e no E.C. Pinheiros, é uma atividade física que tem por objetivo melhorar o condicionamento físico global sob aspectos cardio e neuromusculares. “Estimular e treinar a musculatura abdominal é de extrema importância não só pelos aspectos estéticos, mas principalmente pelos funcionais.”

Além de proporcionar prazer, a prática de exercícios no meio aquático beneficia pessoas que têm dificuldade em realizar movimentos fora da água, como obesos, hipertensos e pessoas com problemas articulares, segundo Gilmara Alves Lucchesi, professora universitária do curso de Educação Física e Pedagogia do Grupo Educacional UNIESP e autora do livro “Hidroginástica – Aprendendo a Ensinar”, da Ícone Editora. “O meio líquido é um ambiente no qual podemos desenvolver e aumentar a melhora da aptidão física e vários são os estudos que comprovam que os programas de treinamento na água melhoram a capacidade cardiorrespiratória e a resistência muscular localizada”, destaca.
Diferenças biomecânicas
O abdominal praticado dentro da água traz resultados potencializados, uma vez que “todos os exercícios na água precisam vencer a turbulência do meio e, para isso, os músculos abdominais precisam estabilizar o corpo. Os exercícios em suspensão exigem esses músculos de forma muito mais intensa”, conta Vera.

Gilmara complementa que, dentro da água, sofremos com a instabilidade da posição horizontal devido à flutuabilidade, porém, “ao analisar o exercício abdominal na água, observa-se que o reto abdominal e o oblíquo externo – principais músculos envolvidos na flexão do tronco – demonstram uma ação eficiente quanto ao mesmo exercício em terra”.

A prática de hidro abdominal traz diversos benefícios ao corpo. Os músculos reto abdominal e oblíquos são fortalecidos, favorecendo a redução da compressão da coluna vertebral e a melhora da mecânica respiratória. Gilmara explica que a água ainda mantém a musculatura abdominal constantemente contraída, favorecendo o fortalecimento da região.
Intensidade e volume no abdominal na água
A professora da Reebok Sport Club ensina que o treino do abdômen é usado em todas as aulas, mas há estratégias nas quais o foco é o treinamento desses músculos e, aí, a aula toda é destinada aos exercícios isotônicos e isométricos, com métodos de treino variados desde a resistência até a força. A flutuabilidade, a forma e a área dos equipamentos usados e a velocidade de execução dos movimentos determinam ainda a resistência do treino abdominal dentro d’água.

Conhecer as peculiaridades do meio líquido e as mudanças fisiológicas e biomecânicas que ele promove no corpo é fundamental para poder prescrever e explorar os exercícios da melhor forma possível: “nesse meio, forças hidrodinâmicas agem no sistema locomotor em diferentes condições de movimento. Por isso é essencial conhecer suas propriedades físicas”, diz Gilmara, que destaca que a hidro abdominal requer maior atenção por parte do professor para checar se os alunos estão praticando corretamente o exercício. “Um dos maiores erros é trabalhar a flexão do quadril ao invés da flexão de tronco, principalmente quando os exercícios são realizados na posição deitada em flutuação (decúbito dorsal).”

Os alunos podem praticar a abdominal na água na posição horizontal, apoiados em acessórios flutuantes, e também na vertical com materiais que boiam e impõem uma força de cima para baixo.

Os cursos de pós-graduação em exercícios aquáticos e cursos de extensão em hidroginástica ajudam os profissionais de educação física a se familiarizarem e aprenderem a trabalhar o abdominal no ambiente aquático de forma adequada e segura. Afinal, assim como os exercícios praticados em solo, o hidro abdominal é desaconselhado a alunos com problemas de coluna específicos e gestantes, sendo que a prática pode ser adaptada às suas condições. “Na tentativa de estabilizar o quadril, alguns profissionais cometem erros comuns, como pedir para os alunos apoiarem as pernas ou braços na borda da piscina, ‘forçando’ desnecessariamente a articulação do ombro. É importante lembrar que a ação eficiente dos músculos abdominais está envolvida na flexão do tronco e não do quadril”, conclui Gilmara.

Consultoria Técnica: Márcio Santos
Por Jornalismo Portal EF

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe conosco suas ideias.

Postagens Recentes: