segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Atletas e sedentários: a diferença pode estar em dois genes

O que diferencia uma pessoa sedentária de um atleta olímpico? De acordo com um novo estudo, essa diferença pode estar nos genes. Pesquisadores descobriram que a desativação de dois genes nos músculos de ratos limita severamente sua atividade – especificamente, a habilidade de correr.

Essa descoberta pode ajudar a explicar por que algumas pessoas têm tanta dificuldade de sair do sofá, e por que quanto mais sedentária é uma pessoa, mais difícil é fazê-la entrar em movimento.

Os genes “atletas” estão associados a uma importante proteína, chamada de proteína quinase ativada (AMPK), que está envolvida em diferentes ações de nossas células, e são ativadas durante os exercícios. Esses genes permitem que os músculos produzam energia a partir de açúcares. Se o processo é bloqueado, os músculos não são capazes de funcionar bem.

A diferença entre os ratos geneticamente modificados de seus familiares saudáveis foi bastante clara. Os camundongos pareciam idênticos entre si, mas em questão de segundos era possível ver quais tinham os genes e quais não. Principalmente porque ratos gostam de correr, e enquanto ratos normais corriam por quilômetros, os que não tinham os genes nos músculos não eram capazes de fazer o mesmo.

Quando os pesquisadores analisaram mais atentamente os músculos dos roedores, viram que ratos com defeitos no complexo AMPK tinham níveis muito mais baixos de células de energia, chamadas de mitocôndrias. Essa perda prejudica a capacidade das células musculares usarem açúcares durante os exercícios – a fonte mais fácil, rápida e eficiente de energia disponível para os músculos.

Pesquisas anteriores já haviam mostrado que o exercício físico faz com que o número de mitocôndrias nos músculos aumente.

Como o AMPK é normalmente ativado durante exercícios, e os ratos geneticamente modificados com defeito no AMPK possuem menos mitocôndrias, pesquisadores acreditam que os dois elementos – número de mitocôndrias e o complexo AMPK – estão relacionados.

“Quando você se exercita, tem mais mitocôndrias crescendo em seu músculo. Se você não faz exercício, o número de mitocôndrias diminui. Ao remover estes genes [que controlam o AMPK], nós identificamos o regulador chave da mitocôndria, que é a enzima AMPK”, disse Steinberg, um dos cientistas envolvidos no estudo.

Essas descobertas são importantes para indivíduos que tem dificuldade em se exercitar, como obesos, asmáticos e deficientes físicos. A incapacidade de se exercitar pode trazer outras complicações, como diabetes e doenças cardíacas.

O estudo também traz uma mensagem para os amantes do sofá: à medida que removemos a atividade física de nossas vidas, principalmente devido às novas tecnologias, o nível de condicionamento físico cai e reduz as mitocôndrias de nossos músculos. Isso torna qualquer início de exercício muito mais difícil no futuro.

Fonte: Hypescience.com, via Portal da ed. física
Temos como intuito postar notícias relevantes que foram divulgadas pela mídia e são de interesse do curso abordado neste blog. E por isso esta matéria foi retirada na íntegra da fonte acima citada, portanto, pertencem a ela todos os créditos autorais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe conosco suas ideias.

Postagens Recentes: